Endometriomas: o que você precisa saber?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Endometriomas: o que você precisa saber

Endometriomas são cistos compostos por tecido análogo ao endometrial e sangue envelhecido. Na imensa maioria dos casos, essas lesões acometem os ovários e podem apresentar tamanhos variados. As lesões pequenas têm entre 1 e 3 centímetros, as maiores, por sua vez, ultrapassam os 7 centímetros de diâmetro. 

Pela sua aparência (a coloração marrom causada pelo sangue envelhecido) esse tipo de cisto ovariano recebe a alcunha de “cisto de chocolate”.

Quadros de endometriose profunda costumam ser um gatilho para essa condição.

Neste artigo iremos apresentar as informações básicas sobre o que você precisa saber a respeito dessa condição que afeta um número ainda desconhecido de mulheres ao redor do mundo.

Os Principais Sintomas dos Endometriomas

Os sintomas dos endometriomas são percebidos de acordo com a categoria do cisto. Em cistos menores, a manifestação é quase irrelevante e, muitas vezes, são assintomáticos.

O sintoma mais comum é a cólica menstrual e o desconforto na região do abdômen. Na maioria dos casos tais sintomas são incapacitantes e impedem a pessoa de realizar práticas cotidianas, como: tarefas domésticas, atividades físicas, lazer e trabalho. A dor é tão intensa que os medicamentos deixam de ser eficazes. 

Entre outros sintomas, podemos citar:

  • Alterações e irritabilidade intestinal como: diarreias, cólicas e dificuldade para evacuar;
  • Alterações urinárias e dores ao urinar;
  • Desconforto e dor no momento das relações sexuais, impedindo, muitas vezes, que a prática seja continuada;
  • Dificuldades para engravidar.

É  importante ressaltar que todo e qualquer sintoma que for continuado, deverá receber orientações e respaldos médicos. Não deixe para cuidar da sua saúde depois.

Causas e Fatores de Risco

Existem alguns fatores que podem contribuir para o aparecimento de endometriomas. Confira os principais deles abaixo.

Fatores genéticos: filhas de mães com endometriose possuem maiores chances de desenvolver endometriomas.

Questões imunológicas: a baixa imunidade, pode contribuir para que o endométrio se aloje fora do útero, causando endometriose que, por sua vez, aumentam as chances de um endometrioma surgir. 

Fatores físicos e emocionais: estresse, oscilações de humor e ansiedade também contribuem para o desenvolvimento das lesões. 

O Diagnóstico

Geralmente é difícil realizar um diagnóstico precoce e preciso de endometrioma, pois, como dito anteriormente, grande parte dos quadros é assintomática.

Somado a isso, quando ocorrem sintomas, é fácil confundi-los com sinais de outras doenças ginecológicas.

Por isso, é muito importante que a paciente esteja atenta ao seu corpo para investigar o quanto antes possíveis problemas.

Isso posto, existem dois tipos de exames que são as principais ferramentas para realizar o diagnóstico de endometriose: a ultrassonografia especializada em detectar focos de endometriose e a ressonância magnética pélvica. Essa última possui alta precisão e auxilia a descobrir a localização inclusive de cistos menores.

Tratamento para Endometriomas

Os cuidados e tratamentos são específicos para quadro e variação de tamanho dos endometriomas.

Quando o cisto é menor que 3 cm, apenas o acompanhamento médico e monitoramento do quadro são suficientes na maioria das vezes.

Endometriomas de dimensões elevadas precisam de cuidados mais complexos, como uso de medicação e hormônios que podem reduzir o cisto.

Em outros casos mais graves a remoção cirúrgica dos cistos é o mais indicado e, a depender da situação do quadro e seus sintomas, pode ser necessária a remoção do ovário afetado, 

Em resumo, a escolha do tipo de tratamento depende da especificidade dos endometriomas, da gravidade dos sintomas que a paciente apresenta e demais particularidades.

É importante salientar que em alguns casos os endometriomas podem ressurgir e, quando isso ocorre, todos os processos citados anteriormente devem ser revisitados. 

Portanto, valorize o acompanhamento ginecológico. Afinal, ele auxilia na prevenção e eficácia de todo e qualquer diagnóstico.

Em caso de dúvidas, entre em contato com seu médico de confiança. Não deixe para depois o cuidado com a sua saúde.